Infância: Sinónimo de felicidade?

Quando pensamos na palavra infância, quais são as palavras que surgem na nossa mente? Alegria, diversão, inocência, felicidade…? Mas serão as crianças assim tão imunes ao sofrimento? Parece que a tristeza e depressão não são compatíveis com esta fase da vida. Mas a verdade é que também as crianças podem sofrer de perturbações psicológicas como a depressão, mesmo que as manifestações sejam um pouco diferentes das dos adultos.

Emoções: controlá-las ou ser controlado por elas?

Na nossa sociedade, é cada vez mais comum ouvir-se falar de ansiedade e depressão: casos em que as emoções se apoderam da vida das pessoas. Uma das razões pelas quais isto parece acontecer cada vez mais, é o facto de atualmente vivermos sob muito stress, agitação, constantemente ativados pelas rotinas agitadas, trânsito, conflitos, excesso de trabalho e não possuirmos as ferramentas necessárias para lidar com estes desafios.

Quando os rituais dos pequenos nos preocupam- um olhar sobre a POC infantil.

A perturbação obsessivo-compulsiva ou POC, corresponde a uma disfunção neuropsiquiátrica que afeta grande parte da população. Em cada 100 pessoas, duas são afetadas pela perturbação, sendo que, é mais comum do que a maioria de nós imagina. Entre elas estão tanto adultos, como adolescentes e até crianças a partir dos 2 anos. É uma patologia que pode ter um curso relativamente breve ou tornar-se crónica, dependendo de muitos outros fatores. Contudo, em todas as situações é percetível o grande impacto no funcionamento social, académico, profissional e ocupacional que acarreta.

O luto na criança

Existe muitas vezes a crença de que este processo não se dá nas crianças, que as crianças não sentem a perda, “não sofrem porque não entendem”o que nos leva muitas vezes a desvalorizar o seu sofrimento. As crianças, quando perdem alguém significativo também passam por um processo de luto. Contudo, é natural, que quando esta se confronta com o falecimento de um ente querido, o luto seja diferente, porque tem formas de olhar e compreender este fenómeno diferentes das de um adulto.

Enurese: O problema da cama molhada

O controlo dos esfíncteres dá-se quando há uma passagem de um comportamento automático para um comportamento controlado/voluntário. Aos 2/3 anos a maioria das crianças adquire o controlo diurno, sendo que o controlo noturno é adquirido entre os 3/5 anos. Contudo, apesar das diferenças normais entre as crianças, existem crianças em que a falta de controlo dos esfíncteres é considerada uma patologia, a esta damos o nome de Enurese.