Melhorar as relações

Exigimos a perfeição dos outros, e esse simples ato revela a nossa própria imperfeição.

As relações humanas são muitas vezes fonte de stress e dor emocional. Sofremos constantemente na relação com o outro, tendo este um poder imenso sobre nós. Vivemos frustrados porque os outros não correspondem às nossas expectativas, não conectam connosco da forma como gostaríamos ou olham para a vida de forma diferente da nossa. O que para nós, mesmo tendo a plena noção de que “todos somos diferentes” é difícil de gerir muitas das vezes.

A verdade é que é fácil julgar os outros pelas suas atitudes: amigos, irmãos, pais, namorados, tios,… Egoístas, egocêntricos, arrogantes, despreocupados, falsos, injustos… E cada uma destas avaliações, tornam-nos mais fracos e afastam-nos da felicidade.

Colocamos a falha nos outros, quando a falha é apenas nossa. Exigimos dos outros muito mais do que eles nos podem dar e claro, quando “eles” falham, sentimo-nos injustiçados e indignados. Não compreendendo que o problema é apenas nosso. Se o nosso objetivo é criar relações saudáveis e que acrescentem valor à nossa vida, não existe outra forma senão, aceitar os outros como eles são. Com os defeitos e limitações que cada um deles tem.

O segredo para ter relações positivas é pedir a cada amigo, familiar ou conhecido apenas aquilo que ele possa dar, e não aquilo que achamos que eles deveriam dar. Não podemos, então, exigir que alguém se lembre do nosso aniversário, que nos apoie nas derrotas ou felicite nas conquistas. Não podemos simplesmente pedir às pessoas que nos dêem tudo e sejam perfeitos. 

Será que faz sentido exigirmos mais a quem deveríamos perdoar mais?

Como ultrapassar? Clarificar as nossas expectativas, idealizando as nossas relações não da forma que desejamos, mas naquilo que é o seu potencial verdeiro. Cada pessoa tem um papel na nossa vida, e todos têm papeis diferentes. E em conjunto, cada um com a sua contribuição, deverá satisfazer as nossas necessidades, que muitas vezes esperamos ser satisfeitas por cada um deles.

Todos nós temos pontos fortes e pontos fracos. Ninguém é perfeito. E pelo mesmo motivo que não podemos exigir a perfeição no outro, eles não o poderão exigir de nós.

A compreensão da necessidade de aceitação incondicional dos outros é o ponto de viragem para tornarmos as relações com os outros muito mais prazerosas. Se aceitarmos as limitações dos outros, conseguimos ser capazes de lhes pedir apenas aquilo que eles podem dar. Desta forma conseguimos aproveitar os pontos fortes dos outros e esquecer os seus defeitos.